27 agosto 2009

O ponto central da eternidade


"Porventura, não convinha que o Cristo padecesse essas coisas e entrasse na sua glória? " (Lucas 24:26)

"Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e riquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e ações de graças" (
Apocalipse 5:12).

Cícero, o famoso orador político da Roma antiga, declarou diante do senado: “Amarrar um cidadão romano é crime, açoitá-lo é uma abominação, matá-lo é senão assassinato, crucificá-lo: como falar disso? Não existem palavras para descrever ato tão terrível”.

Os romanos reservavam a crucificação para os escravos e estrangeiros culpados de homicídio, de roubo a mão armada ou rebelião. A cruz era igualmente vergonhosa para os judeus que viam a morte de um crucificado como uma maldição divina (
Deuteronômio 21:23).

Jesus sabia que devia morrer na cruz para levar o castigo divino contra o pecado (
Gálatas 3:13). Era o Cordeiro de Deus que expiou na cruz o pecado do mundo. Sua morte constitui o ponto central da História e da eternidade. A ela convergia a esperança dos crentes do passado; dela saem todas as fontes da esperança do futuro.

Sem a morte de Jesus não haveria nenhuma esperança de salvação para nós. O apóstolo Paulo chama o Evangelho de “a palavra da cruz” que é “o poder de Deus” (
1 Coríntios 1:18). Jesus aceitou uma morte vergonhosa por nos amar, amar a você e a mim. Qual tem sido nossa resposta a tal amor?


Extraído do devocional BOA SEMENTE

Vi no site irmaos.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário